Segunda-feira, 10 de Março de 2008

História

HISTÓRIA

 

 

Factos do passado. Tudo o que aconteceu no passado até ao presente é história. Desde o tempo mais longínquo até ao mais recente. Desde o espaço mais afastado até ao mais próximo. A cada momento que passa e em cada lugar que algo acontece, faz-se história, desde sempre e até sempre.

A história é o conjunto de tudo o que existiu no passado em todos os aspectos. É a história conhecida e narrada, e é também a história desconhecida.

A história real é uma coisa, o nosso conhecimento dela é outra completamente diferente. É impossível, e desnecessário, conhecer toda a história passada. O nosso conhecimento da história é um conhecimento diminuto, quase insignificante, perante toda a história real existente no passado. Diminuto porque nós não temos capacidade para memorizar tão elevada quantidade de dados — nem nós, seres humanos com cérebro e memória individual, nem nós todos juntos, e nem nós, por razões evolutivas, juntamente com todas as bibliotecas, museus e monumentos de todo o mundo.

Se fosse possível considerar todos os seres humanos, todas as bibliotecas, museus e monumentos, todas as cidades e aldeias, toda a fauna e flora, todo o planeta, e mesmo todo o universo, nem assim obteríamos conhecimento de toda a história, e muito simplesmente porque muitas coisas que já existiram, deixaram de existir sem que reste qualquer prova ou qualquer registo da sua existência.

Por outro lado, além do nosso conhecimento da história ser mínimo, ainda por cima é deturpado. Nós nunca sabemos a história verdadeira, apenas sabemos versões da história. E essas versões podem relatar a realidade exacta, mas também podem ser totalmente falsas.

Qualquer referência à história tem sempre presente o factor tempo. A história é a narração presente de factos passados, ou será a narração futura de factos presentes. E esta transposição temporal deturpa os factos.

Quando presenciamos um acontecimento, registamos esse acontecimento na nossa memória, conforme for o nosso ponto de vista. Cada pessoa tem uma idealização da realidade diferente das outras. Cada pessoa vai descrever o acontecimento conforme a sua realidade. Outra pessoa que receber essa descrição, idealiza o acontecimento de outra forma diferente, e vai-o transmitir ainda mais deturpado. E assim sucessivamente. Se não existirem provas concretas para clarificar como foi realmente o acontecimento, nunca mais se saberá como foi exactamente a realidade.

Se todos sabemos como são deturpadas as descrições de factos actuais, por pessoas vivas, que os presenciaram, imaginemos quanta deturpação haverá na descrição de factos do passado, dos quais os registos são muitas vezes incompreensíveis — o Coliseu de Roma, pelas suas ruínas, permite-nos aproximadamente concluir para que fim foi construído, para além de existirem outros registos que nos dão essa informação, mas, por falta de informação, aos círculos de Stonehenge já foram atribuídas as mais diversas finalidades.

Qualquer história parte de um facto e é idealizada pelo observador que a vai transmitir da forma que ele considera mais correcta. Assim, qualquer narração histórica, não é a narração do facto histórico, mas sim a narração do que o historiador idealizou em relação a esse facto. Não se transmite o que aconteceu, mas o que se considera que aconteceu. E toda a descrição que temos de todo o passado do mundo, apenas é a descrição do que os historiadores consideraram como a história passada do mundo.

Quem faz a história são todos os presentes nela — a história natural é feita pela natureza; a história da ciência é feita pelos cientistas; a história da política é feita pelos políticos; a história da arte é feita pelos artistas; a história de uma civilização é feita por essa civilização; a história humana é feita por todos os seres humanos — mas quem conta a história não são todos os intervenientes nela. São apenas os intervenientes mais poderosos. E é por eles que a descrição histórica é feita — quando duas árvores nascem juntas, a que se desenvolver mais rapidamente irá aniquilar a outra, e só a primeira se reproduzirá; no futuro será impossível saber que ali existiu outra árvore. E todos sabemos que os poderosos contam a história da forma mais conveniente para eles. Por essa razão, quando existem grandes alterações nos regimes políticos se reescreve a história. E são conhecidos momentos do passado em que foram incendiadas bibliotecas e se destruíram monumentos propositadamente para se eliminarem provas do passado que não eram convenientes naquele momento.

Cada vez mais os historiadores estão conscientes desta realidade, e tentam descrever a história cada vez mais imparcialmente. Mas a história é o que é, e essa característica faz parte dela. Apenas é possível repor a história de forma mais factual se existirem registos que permitam o apuramento da verdade. E esse trabalho é fatigante e maçador, pois é necessário andar embrenhado em bibliotecas e arquivos, com livros antigos e dificilmente decifráveis, comparar todos os dados com pormenores de museus, monumentos, ruas, ruínas e demais vestígios, acabando essa pesquisa por se tornar inútil e exequível. Inútil porque a vida é o presente. Exequível porque não possuímos toda a informação; a que possuímos é já demasiada para ser assimilada; e não existe consistência na mesma.

Se se pretender repor a verdade histórica recente, é fácil porque ainda são muitos os vestígios que provam os factos, mas recuando no tempo, rapidamente se perdem as referências do que se encontra. E atribui-se determinado facto a determinada civilização ou cultura, sempre por aproximação. Será certamente difícil provar cientificamente que determinadas marcas fossilizadas em rochas são ossadas de dinossauros em detrimento de curiosas formações rochosas, árvores antigas, ou quedas de meteoritos, por exemplo.

As estátuas encontradas na Ilha de Páscoa, as ruínas Maias, e certos artefactos metálicos de produção sofisticada encontrados em antigos templos coreanos, são provas de existência de civilizações antigas, mas que não são suficientes para se conhecerem essas civilizações. Durante toda a história humana, muitas civilizações terão existido que nasceram, evoluíram e desapareceram, sem que delas possam restar vestígios, tal como os seres humanos. Pois antes de nós nascermos, viveram outras pessoas que nós nunca conhecemos, outras morreram quando éramos crianças, outras nasceram e vivem quando nós, outras vimo-las nascer, e, quando nós morrermos ficarão pessoas conhecidas, e nascerão outras ou já viverão, que nós não chegaremos a conhecer. Com as civilizações acontece o mesmo, mas numa escala mais alargada. E possivelmente, toda a unidade humana, conjunto de todas as civilizações, desde que nasceu a primeira até à extinção da última, poderá também ser como uma pessoa, embora numa escala fora do nosso alcance.

A história humana, que depende da história da vida, que depende da história da terra, que depende de outras histórias superiores, é composta por muitas histórias inferiores, que são as histórias das civilizações, as histórias dos impérios, as histórias das sociedades, as histórias das religiões, as histórias das culturas, as histórias das nações... e, numa complexa descendência, passando pelas histórias da linguagem e da escrita, da arte, do comércio, da agricultura; pelas histórias da política, da economia, da indústria, da ciência e da medicina; pelas histórias militares, das guerras, das conquistas e dos descobrimentos; pelas histórias das cidades, das regiões, das universidades e das igrejas; pelas histórias da literatura, da música, do teatro e do cinema; pelas histórias da alta tecnologia, da informação, dos direitos humanos e da paz... até às histórias das nossas famílias e é história de cada um de nós, que é a mais importante, porque é a única que estamos a fazer e só nós a fazemos.

A história humana é o conjunto de todas estas histórias, daí a dificuldade no nosso entendimento dela. Nunca a conseguiríamos conhecer toda, ainda que ela fosse cognoscível. E a maior parte já se perdeu, existindo apenas fragmentos de história recente quando comparados com a história do homem, mas extremamente antigos quando comparados com a história individual de cada um.

A história humana, ainda que narrada nas mais diversas narrativas, está em permanente mudança, com alterações mais suaves ou mais bruscas causadas pelas mais diversas leis, forças ou motivos, de ordem humana ou natural. Qualquer existência significativa num momento, pode deixar de o ser no momento seguinte — vulcões, terramotos, tempestades, incêndios, guerras, epidemias, acidentes, e etc; destroem cidades e povos inteiros em pouco tempo, alterando para sempre o percurso da história, percurso este que tende a evoluir desde que não lhe seja cortada a continuidade. E note-se que para existir história é necessário existir evolução ou involução. Qualquer coisa que permaneça imutável não produz história durante esse estado.

Assim, a actual civilização ocidental moderna, que faz história cada vez mais rapidamente e cada vez mais diversificadamente, é a civilização que herdou do passado a continuidade histórica, e é a civilização que escreverá a história futura, até que lhe seja cortada a continuidade.

 

 

 

 

 

tags:

publicado por sl às 01:10
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De António Dinis Lopes a 26 de Março de 2008 às 15:40
Este comentário não é relativo a este artigo, mas sim à colecção de artigos aqui exposta. Vejo que ainda não focou a moral, e que talvez esteja interessado/a neste artigo: http://www.nytimes.com/2008/01/13/magazine/13Psychology-t.html?_r=1&pagewanted=print&oref=slogin


Comentar post

temas recentes

Novo Blog

Linguagem

Liberdade

Lei

Justiça

Inteligência

Instinto

Informação

Inconsciente

Imaginação

Ilusão

Igreja

Identidade

Ideia

Homem

História

Glória

Futuro

Filosofia

Felicidade

Fantasia

Família

Fama

Existência

Evolução

Eternidade

Espírito

Esperança

Espaço

Escrita

Equilíbrio

Energia

Emoções

Educação

Economia

Dor

Dinheiro

Deus

Destino

Desporto

Desejo

Cultura

Consciência

Conhecimento

Comunidade

Comunicação

Civilização

Ciência

Cérebro

arquivos

Setembro 2010

Março 2010

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 3 seguidores

tags

todas as tags

pesquisar

 
Se gostava de obter todos os textos de A a Z, envie o seu pedido para viaverita@sapo.pt!
SAPO Blogs

subscrever feeds