Sábado, 30 de Junho de 2007

Conhecimento

CONHECIMENTO

 

 

Conhecimento é sabedoria, é inteligência, é erudição, é intelectualidade, é racionalidade, é experiência — é o conjunto de tudo isto, mas nada disto em particular.

O conhecimento apenas é acumulação de informação. Informação que pode ser útil ou não. Possuir grandes conhecimentos de assuntos que de nada servem é errado, é desperdício. É errada a célebre frase que afirma que “saber não ocupa lugar”. O saber ocupa lugar, e o lugar que possuímos para guardar o saber é limitado.

Possuir conhecimento de uma coisa é ter gravado na memória consciente essa coisa. [Eu sei que a bandeira portuguesa é verde e encarnada porque a recordo. A imagem da bandeira portuguesa está registada na minha memória consciente. Eu já vi as bandeiras de todos os países do mundo, e sei que todas as que vi estão registadas no meu inconsciente. Mas não as posso descrever todas. Apenas posso descrever as que recordo]. Assim, o conhecimento é apenas o que se recorda e do qual se pode falar conscientemente. E esta capacidade de recordar, de ter um acesso consciente à memória, é limitada, embora sejam indefiníveis os seus limites. Dependem da capacidade natural do cérebro.

A capacidade do cérebro, apesar de ser limitada quanto ao que é consciente, é de uma dimensão enormíssima, pois guarda tudo o que nos é útil, necessário e importante para o dia-a-dia, como a nossa identidade — psicológica e social — que se compõe de infinitas informações concretas (nomes, números, direcções, nºs de telefone, horários, programas, preços...) e de infinitas informações mais informais (linguagem, recordações, lembranças, desejos, sonhos, projectos, ideais...). Toda a nossa vida mental consciente está alicerçada em informação que nós manipulamos mentalmente. Essa manipulação consiste em relacionar uma imagem ou acto mental com a sua realidade concreta ou concretização real. Isso é conhecimento, real e consciente.

É este conhecimento consciente o mais importante na nossa vida. Pois é recorrendo ao passado e à memória que nós usamos o cérebro e a mente possibilitando a prática e a acção criando uma cadeia em continuidade. É também com a capacidade que nós temos de usar o conhecimento que temos acesso a mais conhecimento. Assim, o importante não é saber — até porque é impossível saber tudo — mas saber como saber o que é necessário em determinada situação. [É inútil eu saber, recordar e descrever todas as bandeiras do mundo, mas se por algum motivo eu tiver que as diferenciar, devo saber onde as posso encontrar para as descrever]. Repetindo, o importante não é saber, mas saber como saber.

O melhor conhecimento é o conhecimento consciente de chaves de acesso ao conhecimento inconsciente, individual ou colectivo. E esse conhecimento inconsciente é que é ilimitado. É que é tudo o que for a vida do homem. Tudo o que o homem quiser e não quiser.

Exceptuando as diferenças sócio-biológicas do cérebro e sendo ele conscientemente limitado, a explicação para que indivíduos em igualdade de circunstâncias possuam graus de conhecimentos diferentes encontra-se na forma como é usado o próprio consciente.

O consciente é usado de diferentes formas em cada indivíduo. Um indivíduo que sempre viveu no mundo rural, isolado da civilização e sem acesso à grande informação, tem o seu consciente ocupado apenas com o contexto do seu ambiente rural, não possuindo por motivos sociais conhecimentos mais abrangentes. Um forte adepto de futebol sabe conscientemente tudo sobre o futebol — história dos clubes, nomes dos intervenientes, etc. — mas como tem o seu consciente quase todo ocupado com o futebol não pode saber muito de outros assuntos — teria que esquecer o futebol — assim, por razões culturais, possui muitos conhecimentos de uma coisa, mas poucos de tudo. Um indivíduo que passe a maior parte do seu tempo em actividades monótonas e repetitivas, quer sejam de trabalho ou divertimento, ocupa o tempo sem nada aprender, preenchendo o seu consciente com futilidades e ainda que saiba tudo do trabalho ou do jogo possui pouco conhecimento geral.

Embora o mais importante na vida seja que cada um se sinta feliz independentemente da qualidade e quantidade de conhecimentos que possui, pode-se considerar que os exemplos citados referem cérebros subaproveitados. Mas se este subaproveitamento se considerar defeito, não é defeito inferior a um cérebro sobrecarregado, senão vejamos: imaginemos um indivíduo que possui muitos conhecimentos, estudou a vida inteira, passa os dias em bibliotecas, viajou muito, recebe informação de muitas fontes, conhece meio mundo e passou por inúmeras experiências.

Este indivíduo pode-se caracterizar de três formas: por um lado não pode ter estes conhecimentos todos presentes conscientemente. A maior parte deles — a grande parte mesmo — fazem parte do seu inconsciente, e só é verdadeiramente conhecedor se guardar conscientemente apenas as chaves de acesso ao enorme inconsciente. Não sabe uma coisa, mas sabe onde a encontra. E os livros ou os registos dos imensos meios de “gravação” que actualmente existem permitem ter acesso a uma quantidade infinita de informação. Só assim se tem verdadeiro conhecimento, pois de nada servem as coisas que já esqueceram e não podem ser recuperadas da memória.

Por outro lado, este indivíduo se não souber organizar a forma de guardar todo este conhecimento, mais facilmente tem perturbações mentais. Como a memória consciente é limitada, não podemos saber mais que aquilo que o cérebro permite, e como não sabemos os limites, podemos introduzir dados em excesso podendo estes provocar uma espécie de engarrafamento, de desorganização mental. Recorde-se que o próprio raciocínio é apenas uma “manipulação” mental de dados, se os dados forem excessivos, complexos ou indecifráveis, o cérebro bloqueia.

E por fim, de nada serve ser possuidor de um vasto conhecimento se em nada é usado na vida. O verdadeiro valor do conhecimento está na sua utilidade. O ideal, ainda que utópico, seria conhecer tudo o que fosse necessário conhecer, quaisquer que fossem as razões.

O conhecimento pode ser alterado e perturbado por acidentes, doenças, drogas ou medicamentos, que afectem o cérebro onde se aloja toda a memória, consciente e inconsciente, podendo o inconsciente manifestar-se de formas anormais — alterações de personalidade, amnésias, etc. E sabendo que o conhecimento útil é consciente e racional, pode ser também afectado por razões emocionais e afectivas. Pois quando uma pessoa está sentimentalmente ferida, o cérebro está demasiado ocupado com esse sofrimento e não tem capacidade para pensar. Este bloqueamento provocado pelos sentimentos pode levar aos mesmos problemas.

O conhecimento pode-se entender de quatro formas: individual consciente — aquilo que determinada pessoa sabe; individual inconsciente — aquilo que determinada pessoa soube, mas já esqueceu e aquilo que sabe sem saber que sabe, sabe inconscientemente; colectivo consciente — aquilo que todos sabem; colectivo inconsciente — aquilo de que ninguém se recorda, mas que pode estar ainda na memória de alguém, ou pode estar na natureza, nos museus e nas bibliotecas. Note-se que o inconsciente é composto não só de tudo o que já existiu conscientemente, mas também de tudo o que existe e ao qual ainda ninguém conscientemente teve acesso — a gravidade já existia antes de Newton formular as suas leis.

O conhecimento é apenas acumulação de informação. O importante é acumular informação que nos permita usar o próprio conhecimento.

 

 

 

 


publicado por sl às 02:40
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 23 de Junho de 2007

Comunidade

COMUNIDADE

 

 

Igualdade de circunstâncias. Igualdade entre os povos. Comunhão geral de bens. Distribuição imparcial de bens. Tudo é de todos...

A vida em comunidade existe quando todos os bens existentes — principalmente bens materiais — pertencem a todos os membros que a compõem, em proporções iguais para todos e para cada um.

A comunidade existe em qualquer sociedade, civilizada ou não, mas apenas parcialmente. Como sistema político global, não passa de uma utopia. A comunidade não pode, por si, ser a organização estrutural de uma sociedade, mas todos as sociedades são organizadas com relativas realidades comunitárias.

Apesar das bem intencionadas ideologias comunitárias, a utopia da comunidade explica-se pelo facto de nós — seres humanos — não sermos naturalmente iguais. Uns são mais fortes, outros mais inteligentes, uns têm maiores aptidões, vocações e capacidades para umas coisas e outros para outras, totalmente diversas — se por um lado, era justo dividir tudo por todos, por outro, sabendo que uns produziam mais que outros, não seria justo dividir o produto dos que produziam mais pelos que produziam menos. Além disso, ainda que se encontrasse uma fórmula da divisão justa de bens e produtos, essa fórmula teria que ser aplicada e policiada. E a sua aplicação seria a sua anulação, pois existiria igualdade para todos, menos para quem a aplicava, que logicamente, seria superior. E a igualdade comunitária sem organização e policiamento é impossível devido a determinadas características inatas, como a ambição / desejo de poder ou necessidade de segurança.

Assim, a comunidade como ideal de vida existe em e perante qualquer sociedade, relativamente ao grau de desenvolvimento, tendo em conta o respeito pelos valores humanos e tendo em conta o respeito mútuo pela diferença.

 

 

 


publicado por sl às 03:03
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Junho de 2007

Comunicação

COMUNICAÇÃO

 

 

A comunicação é uma das coisas mais importantes da vida moderna e foi também no passado uma das coisas que mais contribuiu para a criação da própria vida moderna.

Para comunicar é necessário uma série de elementos, que por si só são complexos, sendo-o muito mais quando organizados de forma a possibilitar a comunicação: a origem, partida ou emissor; o destino, chegada ou receptor; a mensagem ou mercadoria; o meio ou via; e a energia. É necessário que alguém envie alguma coisa para de alguma forma ser recebida por outrem. A complexidade da comunicação explica o facto de ser uma realidade recente, apesar das suas origens remontarem às origens do homem.

Existem muitas formas de comunicação apesar de todas seguirem a mesma fórmula para completarem um ciclo comunicativo, que consiste no transporte de algo de um lado para outro com determinada finalidade.

A natureza tem também as suas comunicações próprias: os animais de uma espécie comunicam entre si; o vento e a água transportam sementes para germinarem noutros locais. Mas estes são movimentos involuntários. Os animais percebem o aviso de perigo emitido pelos seus semelhantes e fogem, mas não sabem porque percebem nem sabem porque fogem. É a naturalidade funcional da própria natureza.

A comunicação humana é diferente por ser consciente. Uma pessoa quando diz uma coisa a outra, sabe o que diz, sabe a quem diz, sabe porque diz, e sabe que a outra além de ouvir vai também perceber. Existem duas formas globais, embora interdependentes, de comunicação humana: a comunicação verbal e a comunicação material.

A comunicação verbal é aquela em que o emissor e receptor são estáticos, e o movimento se realiza através de alguma forma de energia, que transporta um código, cuja percepção consciente de ambas as partes forma a mensagem, que é criada pela linguagem. A linguagem é assim a base estrutural da comunicação verbal, que pode ser falada ou escrita. Existem outras formas de linguagem — sons, sinais, letras, bandeiras, pontos e traços — que são usadas de ainda mais formas de comunicação possíveis no espectro eléctro-magnético — desde a proximidade pelas ondas sonoras ou luminosas (conversar ou gesticular), passando pelo transporte de material de suporte de mensagens (correio), até às comunicações de longa distância (rádio, telefone, fax, telemóvel e correio electrónico). Os jornais, televisão, e estações de rádio são formas de comunicação social e particularmente indirecta, pois existe um emissor definido, e muitos receptores possíveis e indefinidos.

A comunicação material consiste no transporte de algo material de um local para outro. Existe necessidade também de uma energia (combustível, electricidade, vento); um meio de carga ou de transporte (carruagem, navio, automóvel, avião); uma via de comunicação (estrada, caminho de ferro, água, ar); um local de partida e um local de chegada; e um objecto transportável que pode ser mercadoria ou a própria pessoa.

A evolução da comunicação, sempre correlacionada com a evolução humana, existiu sempre no sentido de aumentar distâncias espaciais e de diminuir distâncias temporais. Cada vez se viaja para mais longe no espaço e simultaneamente se mantém um maior contacto com o local de partida, porque são permanentemente aumentadas as capacidades e velocidades dos meios de comunicação.

Verbalmente evoluiu-se da, só possível, comunicação em espaço e tempo real (conversar), pela comunicação em espaço e tempo distante (escrever), para a comunicação em espaço distante, mas tempo real (telefonar). Materialmente evolui-se da capacidade e velocidade muscular humana que limitavam a vida natural e geograficamente, para capacidades e velocidades de forças técnicas estrondosas que limitam a vida, mas perante o universo.

A comunicação aumentou brutalmente as nossas capacidades naturais. Transformou-nos artificialmente gigantes numa vida que se mantém natural e relativamente constante.

No passado, a nossa aldeia local, era pequena perante a imensidão das montanhas que a rodeavam. Agora, a nossa aldeia global é pequena perante a imensidão do universo.

 

 

 


publicado por sl às 02:04
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 9 de Junho de 2007

Civilização

CIVILIZAÇÃO

 

 

Civilização é um estado social relativamente organizado e estruturado, composto de um elevado número de indivíduos que se relacionam interagindo.

Todas as civilizações são humanas porque consistem, para além da garantia da sobrevivência natural da humanidade, numa estrutura organizada de vida em sociedade consciente, e não apenas instintiva, ainda que o seu nível de desenvolvimento seja pobre.

As primeiras civilizações surgiram quando o homem, após o uso dos primeiros utensílios e o domínio do fogo, e após a criação da linguagem, deixou de ser nómada e tornou-se sedentário, dedicando-se à criação de animais e à agricultura.

A linguagem e a escrita, a religião e o culto aos mortos, o desenvolvimento económico e tecnológico, e o desenvolvimento artístico, cultural e científico, são as características principais de uma civilização.

Todas as civilizações fazem parte da história humana. Todas nasceram naturalmente e pela influência humana e existiram ou existem sedeadas em alguma parte da geografia terrestre. E todas tiveram ou têm uma evolução, uma história particular e um fim.

Cada civilização humana existe como cada pessoa — nasce com heranças das anteriores, tem um crescimento, um auge e um envelhecimento, e deixa de existir deixando heranças às posteriores. E em cada nova civilização, como em cada nova pessoa, é dado um passo no crescimento humano.

As características de uma civilização, devido às heranças de civilizações anteriores, devido à localização geográfica, e devido à capacidade intelectual do seu povo, tornam-na mais ou menos expansiva — uma civilização com tradições guerreiras e exploradoras crescerá e submeterá as outras ao seu domínio absorvendo-as ou aniquilando-as. Por serem dependentes do ambiente natural, poderão ser também extintas naturalmente. Muitas civilizações do passado ficaram perdidas para sempre na história, como muitas pessoas são insignificantes perante a sua civilização.

Toda a história humana é feita de civilizações sucessivas formando um continuo diversificado, onde pelo meio umas ficam pelo caminho, outras convergem ou divergem em relação ao sentido principal da história global, não sendo possível provar se o homem teve uma origem comum, espalhando-se por toda a Terra, ou se teve várias origens geográficas que acabaram por se unirem devido ao desenvolvimento.

O mundo actual é composto por várias civilizações. Existem ainda pequenas civilizações primitivas em alguns pontos do globo, nomeadamente em África, na América Latina e na Ásia e Oceania. Algumas civilizações orientais e Árabes têm também uma existência de grande consistência e poder. Mas a civilização que domina é a civilização ocidental — uma civilização originária da velha Europa, mas que cresceu diversificando-se em todos os níveis, sendo constituída por várias linguagens, várias religiões e até várias etnias ou raças, mas que cresce efusivamente devido à sua grande característica: o capitalismo.

Toda a história refere os movimentos civilizacionais no sentido da conquista de poder. A civilização ocidental movimentou-se pela conquista do espaço geográfico para a obtenção de poder económico. O capitalismo vai invadindo suavemente todas as sociedades. A seguir-se esta tendência, a evolução deparará com uma situação totalmente inédita: pela primeira vez na história conhecida, uma só civilização ocupará todo o espaço geográfico terrestre. Resta saber se após a conversão dos últimos resistentes ao capitalismo, se o mundo vai entrar em retrocesso, se vão ser criadas novas formas de poder, se o poder capitalista se vai manter com conquistas e exploração fora do planeta, ou ainda, se vai acontecer qualquer coisa que ninguém é capaz de imaginar.

 

 

 

 


publicado por sl às 03:30
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 3 de Junho de 2007

Ciência

CIÊNCIA

 

 

“Conjunto de conhecimentos fundados sobre princípios certos” — esta frase, adaptada, define o muito e o pouco que a ciência é.

Princípios certos são as manifestações que existem na natureza de forma abundante, repetitiva ou constante, que permitem ao homem a sua observação, registo, catalogação e outras formas de obtenção de dados que possibilitam o conhecimento de resultados de qualquer acção antes da sua existência real.

Para uma coisa existir cientificamente, essa coisa tem que ser observada várias vezes por várias pessoas capazes de a estudar exaustivamente para obterem o maior número de dados possíveis sobre todas as suas características, e por fim chegarem a um consenso sobre a sua realidade e a classificarem sobre todos os aspectos possíveis atribuindo-lhe um nome, e descrevendo todas as conclusões que a vão caracterizar como realidade existente cientificamente dai para o futuro.

A ciência nasceu na aurora da civilização humana, de uma forma instintiva e inconsciente, a par do nascimento da religião e do misticismo, pela constante observação da natureza, durante uma longa sequência de gerações que evoluiu até aos nossos dias.

O homem primitivo começou por observar a natureza e descobriu coisas maravilhosas. Descobriu que umas coisas são mais pesadas e outras são mais leves; descobriu que umas são mais altas e outras mais baixas; descobriu que se partir uma coisa, fica com duas ou mais; descobriu que se essa coisa for uniforme e a partir a meio fica com duas iguais e metade mais pequenas que a primeira — e para que não tivesse que transportar o tronco mais comprido, e logo mais pesado, quando bastava o tronco mais curto e mais leve, ou para não ter que transportar diversos troncos e ter que os colocar sobre o riacho, para escolher o ideal para colocar sobre o riacho que desejava atravessar, sentiu necessidade de medir o riacho para procurar o tronco com a medida exacta. A invenção da medida do riacho para depois comparar com a medida dos troncos encontrados, foi o grande passo científico, pois permitiu saber qual o tronco ideal antes de o colocar.

E assim nasceu a ciência. Estuda-se na natureza a possibilidade de inventar medidas sobre ela, e uma vez inventadas, usam-se essas medidas como guia para o futuro.

A ciência nasceu instintivamente pela observação de factos naturais testáveis e mensuráveis, a par da religião que nasceu instintivamente pela observação de todos os factos naturais, inclusivamente não testáveis e incomensuráveis. A evolução da ciência na forma de cada vez mais medir e testar a natureza, e logo de a compreender, tendeu para a contestação, oposição e até negação da própria religião, acabando actualmente por inverter essa tendência ao dedicar-se ao estudo científico da própria religião, numa tentativa de a “medir”, ou de medir o seu efeito no homem.

Iniciando-se a grande jornada científica no campo das ciências exactas — lógica, matemática, física, astronomia, geografia, biologia — evoluindo para as ciências aplicadas — tecnologia, engenharia, medicina — continuando a evolução no capo das ciências económicas, sociais e políticas — história, direito, sociologia — e cada vez mais no campo das ciências humanas — filosofia, psicologia — a ciência evoluiu em interdependência com a religião devido ao grande peso da religião no passado, cuja influência na pesquisa científica era sempre um facto, favorável ou desfavorável conforme a aceitação ou negação dos resultados, de acordo com os interesses da própria religião.

Tudo existe na natureza anteriormente ao homem. Todas as matérias, todos os movimentos e todas as energias já existiam quando o homem, com a sua inteligência, as começou a observar. A sua observação inteligente originou a possibilidade e a necessidade da criação de medidas. A possibilidade deve-se à constância de determinadas características — uma coisa com tamanho constante permite inventar medidas de comprimento (era impossível inventar o “metro” numa matéria elástica). Todas as medidas foram inventadas pelo homem devido à constância de determinadas características, de determinada matéria ou energia. A necessidade de criação de medidas deve-se ao facto de só com medidas ser possível comparar, para melhor escolher. Também só com medidas se pode teorizar uma coisa, para melhor a estudar e compreender. Além disso, sem medidas é impossível existir vida social e racional. As medidas são as referências pelas quais se orienta o homem civilizado: é impossível marcar um encontro sem uma data, uma hora, e sem um local; é impossível encomendar um artigo sem dizer qual; é impossível fazer uma obra sem projecto; é impossível fazer um telefonema sem marcar um número — todo o acto racional requer referências teóricas.

Qualquer medida é inventada por qualquer pessoa de forma a identificar qualquer coisa para que possa ser comparada consigo própria ou com outra. Uma medida uma vez obtida/inventada por alguém é dada ao conhecimento e consideração dos outros que a vão aceitar ou reprovar conforme a sua utilidade. Todas as medidas são inventadas por alguém e são aceites pela maioria para bem dessa maioria. Todas as medidas são aceites quando a sua organização é lógica, constante e infinita, ou completa e aplicável, sem deixar qualquer margem de dúvidas. E todas as medidas são valores elementares teóricos criados a partir da observação da natureza, com o objectivo de a racionalizar e compreender, para depois melhor a poder transformar e dominar.

A matemática e a álgebra são a base de toda a ciência, porque toda a ciência funciona com medidas e todas as medidas são representadas com números e letras. Os próprios números e letras não existem na natureza, foi o homem que os inventou, mas aplicam-se a tudo porque tudo o que o que a ciência envolve se traduz teoricamente por números e letras. E esta teorização é criada pelo homem a partir da natureza.

Todas as matérias, todas as energias, todas as formas geométricas, todas as cores, todos os sons, todas as radiações, todos os movimentos, todas as velocidades, todas as pressões, todas as densidades, e todas as forças electromagnéticas, gravitacionais, caloríficas, atómicas e nucleares, assim como as correlações existentes entre todas estas partes, já existiam na natureza antes do homem as descobrir, estudar, medir e classificar como medidas cientificamente existentes. E as medidas de comprimento, superfície, volume, massa, tempo, frequência, velocidade, aceleração, força, energia, potência, intensidade, resistência, temperatura, radiação, e etc; apenas foram os modelos inventados que possibilitaram essa classificação com realidades cientificamente provadas.

As medidas científicas partem de uma unidade padrão — grama, litro, watt, metro, hertz, bit, grau — e estendem-se em múltiplos e submúltiplos, multiplicando-se e desmultiplicando-se de mais infinito a menos infinito, abrangendo toda a realidade, cada uma no campo que mede. São generalizadas por imposição ou conveniência e de acordo com a maior perfeição na tradução da existência natural, para maior compreensão racional e científica — muitas sociedades do passado guiaram-se por calendários muito diferentes do actual calendário gregoriano, acabando este por se generalizar no mundo ocidental devido à sua maior perfeição em relação aos movimentos naturais de rotação e translação da terra. No entanto, se for descoberta/inventada outra forma de medir o tempo, ainda mais perfeita, esta se extinguirá. Acontece isto com todas as formas de medir a natureza, mas algumas são de tal forma lógicas, que são tidas como arquétipos — dois mais dois são quatro em todo o mundo, mas existem várias formas de linguagem, como várias formas de numeração e certamente várias formas de cálculo.

As descobertas científicas acontecem algumas vezes por mero acaso, e normalmente após aprofundados estudos. Cada nova descoberta é influenciada pelas anteriores e vai influenciar as posteriores, como que num ciclo evolutivo multiplicativo. A história da evolução científica relata-nos longos períodos no passado para a aceitação de uma nova verdade científica, tendo a grande maioria das descobertas acontecido nos séculos mais recentes. Actualmente, nos muitos laboratórios industriais e das universidades espalhadas por todo o mundo são permanentemente feitas novas descobertas científicas.

O conhecido método científico define como funciona a ciência. A formulação de questões só é possível quando temos dúvidas e quando nos interrogamos. A elaboração de hipóteses só é possível quando temos matéria para observarmos e nos dedicamos a isso. A verificação das hipóteses só é possível quando existem medidas previamente estabelecidas e aplicáveis, ou constância de características que permitem a criação de medidas novas ou ocasionais para que todas as variáveis conhecidas sejam controladas. E a obtenção de resultados e formulação de conclusões só é possível quando os três passos anteriores são concluídos de forma clara, inequívoca, indubitável e repetível.

Assim, sempre que não temos dúvidas e não nos interrogamos, sempre que não temos matéria para observar, sempre que não temos medidas nem as podemos criar, e sempre que as conclusões são obscuras, duvidosas, e não é possível repetir o estudo para que se possa replicar qualquer coisa, essa coisa não existe cientificamente.

E é aqui que encontramos os limites da ciência. Porque tudo o que foi provado cientificamente, já existia antes de o ser. E tudo o que existe e não está provado cientificamente, pode não existir realmente ou pode não existir até ser provado pela ciência. E todos sabemos que existem muitas coisas concretas que a ciência não explica: ainda não é possível prever exactamente o estado do tempo; ainda não é possível prever sismos: ainda não é possível conhecer o código genético completo de uma pessoa; ainda não se conhecem as verdadeiras causas da homossexualidade; ainda não se descobriram vacinas para o cancro e para a sida; ainda desconhecemos a finalidade dos sonhos; ainda sabemos pouco sobre o funcionamento e capacidade do cérebro humano; ainda não sabemos se existem extraterrestres; ainda não sabemos de onde vimos nem para onde vamos — isto são só alguns dos inúmeros exemplos que provam a nossa ignorância científica perante a vida.

Estes são exemplos que a ciência não clarifica, mas procura clarificar e admite a sua ignorância. No entanto existem outros que a ciência nega categoricamente, mas que são realidades absolutas para muitas pessoas, tais como as crenças populares e as superstições, as medicinas alternativas e os fenómenos parapsicológicos, as seitas religiosas e os rituais culturais, a fé e Deus.

Só o futuro dirá se a ciência se vai impor negando todas estas realidades e originando um mundo completamente compreensível e racionalizado, ou se todas estas realidades irão influenciar a ciência de forma a tornar possível a sua medição e aprovação científica. Só o futuro dirá se Deus vai deixar de existir ou se a ciência o vai provar cientificamente.

Provavelmente não acontecerá uma coisa nem outra. A evolução do conhecimento científico acaba por aceitar a teoria da relatividade e a física quântica, em que uma nova descoberta ou um novo dado pode influenciar toda a percepção do passado, deitando por terra as conceptualizações cientificamente testadas — repare-se que a nave espacial “Challenger” possuía a mais elevada tecnologia, e era testada pelos mais proficientes especialistas e, no entanto, tudo se perdeu. Por outro lado, cada vez mais nas universidades proliferam cursos relacionados com as ciências sociais, humanas e religiosas.

É que o homem é um ser natural e criou a ciência a partir da sua natureza. E por muito que entre em contradição negando parte de si mesmo, a verdade é que acaba por voltar à sua natureza. O homem é um todo e a ciência é apenas parte dele.

A honra, o orgulho, o respeito, a dor, o amor, a paixão, a alegria, a tristeza, o desejo, a ambição, a fama, a vaidade, o luto, a saudade, a vontade, a angustia, o medo, o ódio, a inveja, o desespero, a fé, e muitos outros sentimentos e valores humanos, não se podem medir numa escala objectiva científica e isso não os torna inexistentes. Da mesma forma que a altura, a raça, o sexo, a cor dos olhos, a forma dos cabelos, a estatura, o grupo sanguíneo, o código genético, o nome, a idade, o estado civil, a profissão, a religião, o número do cartão de identidade, o número fiscal, o número de eleitor, e muitos outros números e escalas objectivas de identificação provadas cientificamente, por si só, não chegam para concluir a existência real de um ser humano.

Tudo o que existe concreta e objectivamente, e cientificamente testado, é importante para o desenvolvimento humano, e para que o homem se compreenda a si próprio e tudo o que o rodeia. No entanto, por mais evoluída que esteja a ciência, o seu impacto no ser humano nunca será superior a metade da sua globalidade, porque o homem é uma unidade dualística, de corpo e alma, físico e espiritual.

E toda a criação científica, tecnológica e artificial, foi originada a partir da natureza, não ultrapassou os limites impostos pela natureza, e apenas criou condições de adaptabilidade, segurança, bem-estar, prazer e relativo domínio do homem em relação à própria natureza, mas nunca eliminando ou substituindo princípios naturais básicos para a sobrevivência humana, como as necessidades biológicas.

A ciência apenas permitiu ao homem que se distanciasse dos outros animais possibilitando-lhe uma vida com autoconhecimento, autocontrolo e dignidade. É sempre uma possibilidade — mas nem sempre uma realidade.

 

 

 

 


publicado por sl às 03:34
link do post | comentar | favorito
|

temas recentes

Novo Blog

Linguagem

Liberdade

Lei

Justiça

Inteligência

Instinto

Informação

Inconsciente

Imaginação

Ilusão

Igreja

Identidade

Ideia

Homem

História

Glória

Futuro

Filosofia

Felicidade

Fantasia

Família

Fama

Existência

Evolução

Eternidade

Espírito

Esperança

Espaço

Escrita

Equilíbrio

Energia

Emoções

Educação

Economia

Dor

Dinheiro

Deus

Destino

Desporto

Desejo

Cultura

Consciência

Conhecimento

Comunidade

Comunicação

Civilização

Ciência

Cérebro

arquivos

Setembro 2010

Março 2010

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 3 seguidores

tags

todas as tags

pesquisar

 
Se gostava de obter todos os textos de A a Z, envie o seu pedido para viaverita@sapo.pt!
SAPO Blogs

subscrever feeds