Terça-feira, 8 de Julho de 2008

Identidade

 

 

IDENTIDADE

 

 

Tudo o que existe, existe independentemente do nosso conhecimento ou não — a América já existia antes de Colombo a ter descoberto. Mas tudo existe numa forma natural. A natureza é a mãe de tudo. Tudo cria, tudo transforma, tudo domina e tudo extingue...

E o homem, por ser o único possuidor de consciência, é o único que reconhece a existência de tudo o que conhece. Para tudo existir, basta existir. Mas para tudo existir do ponto de vista do conhecimento humano, para além de existir, é necessário que seja identificado. O homem só reconhece a existência daquilo que identifica. E como identifica tudo pelo reconhecimento descritivo ideológico, necessita assim das suas faculdades psicológicas para identificar toda a coisa para que esta se torne existente. O uso dessas faculdades quando o seu desenvolvimento não é pleno, por questões culturais ou biológicas, origina um atrofiamento cognitivo que provoca desfasamento na criação da identidade de determinadas existências.

Assim, como o homem é o único criador de identidades — foi o homem que atribuiu o nome a tudo — tudo o que está identificado, está-lo pela sabedoria humana, e existem várias formas de identidades, conforme o conhecimento da realidade, que vão desde o que o homem conhece concreta, total e cientificamente, até ao que o homem conhece pela suposição, idealização ou imaginação, podendo-se afirmar que o homem identifica não o que existe mas o que pensa que existe, podendo até identificar o que não existe.

A natureza engloba tudo o que existe e o homem faz parte dela. Mas o conhecimento que o homem tem dela nasceu dele e do nada que possuía conscientemente. A natureza criou o homem, e este, uma vez criado, começou a identificar a sua própria criadora. Não foi a natureza que disse “Tu és o homem e eu te criei!”, mas foi o homem que disse “Eu sou o homem e tu me crias-te!”. Porque o homem é o único ser pensante.

O homem é física e cognoscivelmente insignificante perante a imensidão da natureza. A natureza funciona com leis próprias que não caberá ao homem considerar se são inteligentes ou não. Mas a vida do homem é uma permanente luta que visa o conhecimento, compreensão, domínio e identificação dessas leis. A natureza funciona e o homem identifica esse funcionamento. E a inteligência humana é tanto maior quanto maior for o conhecimento que o homem tiver da natureza, ou quantas mais coisas conseguir identificar para compreender correctamente.

Mas o homem ainda se encontra numa fase de cujo conhecimento dedicado à identidade é muito banal e fútil, filosoficamente falando. O homem ainda não se encontrou a ele próprio na natureza, e vive preocupado com problemas demasiado terrenos, como a nacionalidade, etnia, ascendência, religião, língua, residência, e outros ainda mais elementares que são necessários para a existência legal, social e económica, como o cartão de identidade, passaporte, número fiscal de contribuinte e de beneficiário da assistência social ou da saúde, e de números de identificação bancária ou de sócios de clubes.

Todos estes elementos identificativos são necessários para a vida civilizada, para poder haver ordem e de alguma forma confirmar a existência individual, mas não são nenhuma necessidade vital natural, nem é por eles que o homem atinge a plenitude da superioridade perante os demais seres da natureza.

Mais importante que sabermos quem somos perante a sociedade é sabermos quem somos perante a natureza.

Mas as coisas são o que são, e a identidade de tudo como é feita pelo homem também muda conforme a vontade deste. Muitas coisas são identificadas de diferentes formas simultaneamente, devido às diferenças presentes em quem as identifica. A evolução dirá se a identidade humana caminha no sentido da globalização dos mais elevados valores humanos, ou se simplesmente se manterá com valores identificativos que apenas ajudam a viver, uns melhor, outros pior.

 

 

 

 

 


publicado por sl às 00:41
link do post | comentar | favorito
|

temas recentes

Novo Blog

Linguagem

Liberdade

Lei

Justiça

Inteligência

Instinto

Informação

Inconsciente

Imaginação

Ilusão

Igreja

Identidade

Ideia

Homem

História

Glória

Futuro

Filosofia

Felicidade

Fantasia

Família

Fama

Existência

Evolução

Eternidade

Espírito

Esperança

Espaço

Escrita

Equilíbrio

Energia

Emoções

Educação

Economia

Dor

Dinheiro

Deus

Destino

Desporto

Desejo

Cultura

Consciência

Conhecimento

Comunidade

Comunicação

Civilização

Ciência

Cérebro

arquivos

Setembro 2010

Março 2010

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

tags

todas as tags

pesquisar

 
Se gostava de obter todos os textos de A a Z, envie o seu pedido para viaverita@sapo.pt!
blogs SAPO

subscrever feeds