Sábado, 21 de Abril de 2007

Arte

ARTE

 

 

A arte é uma representação passiva da natureza, criada pelo homem.

É uma representação porque não existe nada de real na arte que não tenha existido antes na natureza. Qualquer obra de arte é apenas uma composição de matéria, com aspectos curiosos, admiráveis, extraordinários e excêntricos, umas vezes belos, outras vezes hediondos. É uma composição de matéria passiva porque a arte só se identifica em obras criadas. Uma obra de arte só é assim considerada após a sua conclusão, e uma vez completa, a mesma não volta a ser modificada. Do mesmo modo, um artista — o criador das obras de arte — só pode ser considerado artista após provas dadas em obras feitas. Ninguém é artista se todas as obras ficam por concluir.

A arte é uma representação da natureza porque a matéria da qual se cria a arte é a mesma por que é formada a natureza. A natureza auto modela-se desde as formas mais simples às mais extraordinárias devido a forças ainda nem todas conhecidas pelo homem, criando composições maravilhosas, que são fruto da casualidade entre as partes por que é composta — uma ilha paradisíaca pode ter sido formada por um vulcão, ou um belo pôr-do-sol pode ser fruto do reflexo do sol na água. Da mesma forma o artista modela a matéria, diferenciando-se no facto de que umas vezes pensa e planeja a obra a realizar e outras vezes cria sem pensar.

A arte é um produto final, um resultado. É uma realidade observável, e o observador é o próprio homem. Assim, a arte é um produto de e para o homem. Só o homem a cria e só o homem a contempla.

A arte em si, como produto criado, é uma coisa inerte, sem vida, mas o seu significado para o homem é de enorme valor. Pela arte se revê o homem, no que este possui de simbólico. Pela arte se estuda o homem, se reconhecem as suas capacidades criativas e sensibilidades, e principalmente se reconhece todo o seu mundo abstracto de cultura e espiritualidade.

A arte é um prazer, e como tal, só surge após outras necessidades humanas se encontrarem satisfeitas. Como todos os prazeres do homem, a arte só é sentida ao “sair” e ao “entrar” no seu corpo. Por um lado, a arte significa muito para quem a cria porque sente uma exteriorização do seu espírito, em sons, imagens, ideias, ou sob qualquer outra forma de expressão, que conduzem a uma auto-realização pessoal. Por outro lado, para quem a recebe através dos sentidos, só a recebe porque gosta — caso contrário evitava-a — e assim sente prazer e bem-estar, ou deleite, ao contemplar uma obra criada por outro, mas que lhe diz algo, e se lhe diz algo é porque o leva ao encontro de si próprio, do seu espírito, e ao encontro dos outros e da vida.

A arte é representação da natureza porque o homem só modela a matéria existente na natureza. Por outro lado, também o homem só observa na natureza aquilo que é observável na mesma. A evolução existente na arte só é possível devido à evolução existente na técnica. A técnica cria constantemente novos produtos que são usados pelos artistas, mas a arte em si não evolui, porque está limitada à natureza. A arte é como que uma falsificação da natureza. Todas as cores de todas as pinturas, todos os materiais de todas as esculturas, e todos os sons de todas as músicas, existem na natureza antes de serem usados na arte. Os sentidos humanos têm limites naturais que a ciência já mediu (por exemplo: só se ouvem sons entre dezasseis e vinte mil hertz), e como a arte só é observável através dos sentidos, então tudo o que o homem criar que possa ser observado, existe entre parâmetros iguais a tudo o que pode ser observado na natureza. A arte é uma recriação da natureza feita pelo homem.

Mas como a arte é um produto exclusivo do homem, está natural e intimamente ligada a ele por diversos aspectos. Por um lado, a arte, como actividade lúdica, surge só após a satisfação das necessidades elementares de sobrevivência. Depois, acompanha toda a evolução humana. Nasce fortemente influenciada pela religião e por outras magias, acompanha as tendências de todas as épocas quanto a valores religiosos, sociais, políticos, comerciais e outros, até que acaba por existir como um fim em si. A arte pela arte.

De uma pessoa com capacidades criativas superiores, o artista passou a ser uma pessoa que estudou e aprendeu a arte, para a produzir de uma forma planeada, estando rotulado em determinado estilo, moda ou tendência, e a sua obra passou de preciosidade artística a objecto de valor comercial.

A evolução do homem permitiu que fosse criada uma nova e importante forma de arte. Da representação da natureza passou-se à representação do próprio homem. Da expressão plástica, da pintura e da música, passou-se à expressão literária. Primeiro a linguagem era usada para fins práticos, mas com a evolução passou a ser usada para transmitir histórias reais e lendas, em cantigas, em oratórias e em peças de teatro, até que a própria linguagem passou a ser uma forma de arte de representação. Primeiro a poesia e depois a prosa romântica, transformaram a linguagem numa das principais formas de expressão dos valores espirituais, sentimentais, morais e humanos. A literatura romântica e ficcionista — o escrever pelo prazer de escrever, ou a arte de trabalhar as palavras — permitiu ao homem a criação de ideias e histórias complexas, e a possibilidade de as transmitir embrenhadas no mais enredado e imaginário ambiente.

O cinema e televisão possibilitaram a composição de diversas formas de arte. Um bom filme é uma obra de arte, que pode ser realizado em belos cenários, pintados ou construídos — outras formas de arte —, pode ter um bom enredo — outra forma de arte —, ser bem interpretado e ter uma boa banda sonora. Pintura, escultura, literatura, teatro, música e quiçá poesia, enfim, todas as formas de arte reunidas numa só.

A arte nasce na imaginação. Os seus limites são os limites da representação material. A diversidade de possibilidades de criações artísticas é interminável, mas caracteriza-se em três aspectos: ou representa a realidade existente; ou representa a imaginação de uma realidade — virtual — e esta representação confunde-se muitas vezes com a realidade concreta; ou representa o abstraccionismo, aquilo que não tem qualquer conotação com a realidade, que se encontra muito presente na arte moderna, em obras com tendências surrealistas, e que são criadas de uma forma muito próxima da natureza, em que, subitamente deparamos com algo que nos cativa, surpreende, e que achamos perfeito, mas que ninguém consegue explicar como foi realizado.

 

 

 


publicado por sl às 01:43
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Kelvin Oliveira a 6 de Março de 2008 às 15:05
Meu nome é Kelvin, estou no último ano do curso de Design e estou a fazer uma monografia sobre a natureza e suas influências do decorre da história e no processo de criação. Gostaria de saber o nome do autor do texto acima, por sinal ótimo texto, para que pudesse fazer uso de algumas citações complementares seguidas de sua origem. Caso o autor do blog não seja o mesmo do texto, gostaria muito se saber o nome do autor original e se possível alguma referência sobre o mesmo tema.
Desde já agradeço.
email para contato: neinto@gmail.com


De Kelvin Oliveira a 6 de Março de 2008 às 15:07
*decorrer*


Comentar post

temas recentes

Novo Blog

Linguagem

Liberdade

Lei

Justiça

Inteligência

Instinto

Informação

Inconsciente

Imaginação

Ilusão

Igreja

Identidade

Ideia

Homem

História

Glória

Futuro

Filosofia

Felicidade

Fantasia

Família

Fama

Existência

Evolução

Eternidade

Espírito

Esperança

Espaço

Escrita

Equilíbrio

Energia

Emoções

Educação

Economia

Dor

Dinheiro

Deus

Destino

Desporto

Desejo

Cultura

Consciência

Conhecimento

Comunidade

Comunicação

Civilização

Ciência

Cérebro

arquivos

Setembro 2010

Março 2010

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 3 seguidores

tags

todas as tags

pesquisar

 
Se gostava de obter todos os textos de A a Z, envie o seu pedido para viaverita@sapo.pt!
SAPO Blogs

subscrever feeds