Sábado, 25 de Agosto de 2007

Dor

DOR

 

 

Um corpo vivo é um corpo que depende do meio em que se encontra, e que condiciona esse próprio meio, interagindo. Está sujeito às condições ambientais — geológicas, geográficas, climáticas, etc. — do seu habitat, e tem necessidades elementares de sobrevivência.

Todos os factores que condicionam essas exigências podem partir do interior para o exterior, e vice-versa, mas necessitam sempre de um equilíbrio determinado. Esse equilíbrio existe sempre com margens de segurança, e entre um mínimo e um máximo. Quando o corpo permanece dentro desses limites, encontra-se em harmonia com a sua natureza, e é saudável. Quando atinge ou ultrapassa esses limites, podem acontecer duas coisas: ou sente dor, ou sente prazer.

A dor e o prazer opõem-se e complementam-se. Existe permanentemente uma luta entre a dor e o prazer para se instalarem num corpo vivo. A cada momento, ou se sente dor ou se sente prazer, com maior ou menor intensidade. O equilíbrio entre os dois forma a saúde. O excesso de dor e o excesso de prazer, quando não recuperado o equilíbrio, provocam a doença. A dor porque é um aviso de que algo está mal, e o prazer porque é um aviso que algo esta bem demais, e que se não for reduzido transforma-se em dor.

Qualquer corpo após um esforço exagerado necessita de repouso como após uma imobilização necessita de exercício. Se o equilíbrio não for retomado, agrava-se a doença e o corpo morre.

Uma doença é falta de equilíbrio natural, biológico e orgânico, que pode ser de origem física ou psicológica. Todo o corpo doente tem falta ou excesso de alguma coisa para manter a sua estabilidade natural.

A dor é desagradável, mas necessária para manter a vida. É o nosso alarme quando vamos longe demais. Sem dor, rapidamente ultrapassaríamos os limites e morreríamos.

A dor gera o sofrimento e sofrer é a pior coisa da vida. Mas a vida é feita de coisas boas e coisas más em igual quantidade, e em equilíbrio.

Para evitar o sofrimento apenas podemos tentar conhecer os nossos limites para conscientemente não os ultrapassarmos, embora isso nada possa garantir, porque a nossa vida existe em relação à natureza terrestre, que é bem mais forte que nós, e da qual dependemos. Pois vivemos ao sabor dela, com mais ou menos saúde, mais ou menos doença, mais ou menos sofrimento, mais ou menos prazer e mais ou menos dor.

 

 

 

 


publicado por sl às 01:37
link do post | comentar | favorito
|

temas recentes

Novo Blog

Linguagem

Liberdade

Lei

Justiça

Inteligência

Instinto

Informação

Inconsciente

Imaginação

Ilusão

Igreja

Identidade

Ideia

Homem

História

Glória

Futuro

Filosofia

Felicidade

Fantasia

Família

Fama

Existência

Evolução

Eternidade

Espírito

Esperança

Espaço

Escrita

Equilíbrio

Energia

Emoções

Educação

Economia

Dor

Dinheiro

Deus

Destino

Desporto

Desejo

Cultura

Consciência

Conhecimento

Comunidade

Comunicação

Civilização

Ciência

Cérebro

arquivos

Setembro 2010

Março 2010

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

tags

todas as tags

pesquisar

 
Se gostava de obter todos os textos de A a Z, envie o seu pedido para viaverita@sapo.pt!
blogs SAPO

subscrever feeds