Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007

Esperança

ESPERANÇA

 

 

“A esperança é a última coisa a morrer” — esta popular frase traduz o que é a esperança. Mas a esperança é ainda mais que isso, e contrariando o sentido da própria palavra, a esperança é mais negativa do que se possa esperar. Pois a esperança não só é a última coisa a morrer, como nunca morre. Nunca morre porque é como se não existisse. A esperança é mais uma das muitas ideias criadas pelo espírito humano.

Considerada uma virtude, a esperança é apenas fomentada pelos sábios perante os ignorantes, que a revalorizam, pois a mesma é uma grande companheira dos ignorantes. Quando um indivíduo não tem meios de saber o que lhe vai acontecer, resta-lhe ter esperança. Tem esperança de que lhe aconteça o que deseja, ou que não aconteça o que não deseja. A esperança está sempre relacionada com um desejo futuro e só existe até ao momento em que se realiza o acontecimento que o causava.

A esperança é usada pelos conhecedores para dominar os ignorantes, e é usada pelos ignorantes para continuar a acreditar numa causa sem garantias, que pode ser perdida. É uma atenuante da derrota. Se soubéssemos tudo não existiria esperança, pois a esperança nasceu da ignorância.

A esperança é sempre chamada perante a suposição, a incerteza, e a dúvida. O seu valor é irrelevante porque o facto de termos esperança em alguma coisa, essa esperança de nada serve para concretizar essa coisa. A esperança começa quando começa a dúvida sobre alguma coisa e termina quando se esclarece essa dúvida. Só existe no estado de dúvida.

Só tem esperança quem tem dúvidas, e todo o ser humano tem dúvidas, sejam elas concretas ou existenciais. Quanto mais dúvidas tiver, maior é a esperança. Enquanto há vida há esperança porque enquanto há vida existem dúvidas e incertezas. Só condenados à morte ou incuravelmente doentes temos vida sem esperança, porque temos vida sem dúvidas.

A esperança produz um efeito psicológico semelhante à felicidade — como que uma felicidade falsa. Se uma pessoa acredita plena e convictamente numa coisa que não existe, essa coisa passa a existir para essa pessoa, porque a desejava muito, mas só existe psicologicamente. E essa existência psicológica provoca efeitos reais, e agradáveis porque é uma coisa desejada. Da mesma forma a esperança, que não existe realmente, provoca efeitos reais.

Mas a esperança só existe perante as dúvidas do que é desejado. Só esperamos o que não temos, mas desejamos. E a esperança é um meio de atenuar esse desejo que nos invade, dando-nos uma satisfação prévia face à resolução do desejo. Mas é um meio falso, que aquando do esclarecimento da dúvida, no acto da ocorrência ou na previsão correcta do mesmo, pode ser a confirmação do facto que deu origem ao desejo, mas também pode ser a sua eliminação. E quanto maior for a esperança — o sentimento que durante algum tempo deu alguma felicidade — mais se transforma numa explosão de alegria ou num tremendo desgosto.

Se desejamos uma coisa, temos esperança que a mesma se concretize da mesma forma que não desejando uma coisa temos medo da sua concretização. Quanto mais fortes forem os sentimentos — esperança e medo — maiores serão as emoções — alegria ou tristeza — desencadeadas pelos acontecimentos.

A esperança apenas é um manto suave que cobre alguma coisa que esperamos ser boa, ou agradável. Esse manto dá-nos alguma felicidade. Mas não sabemos o que se encontra por baixo do mesmo e como às vezes temos medo de saber se a verdade que está debaixo do manto é má para nós, então preferimos manter o manto e ter alguma felicidade – falsa — em vez de sermos infelizes com a realidade. Preferimos a esperança de uma coisa boa à verdade de uma coisa má.

Pela mesma razão, muitas pessoas vivem desconhecendo a realidade durante toda a vida, mas vivem felizes devido a elevadas doses de esperança, preferindo uma mentira boa a uma verdade má.

A religião, a política, e muitas outras ideologias representadas em instituições com poder, conhecedoras do que está debaixo do manto, conhecedoras da verdade, são as primeiras a defender que o manto não deve ser retirado, para que os outros, os ignorantes, pensem que a verdade é o próprio manto, permanecendo as primeiras sempre dominantes.

E assim quase todo o mundo vive com uma felicidade suspensa, edificada sobre um manto falso chamado esperança, que muitas vezes se rasga, mas nunca se abre o suficiente para esclarecer a verdade, porque a força dos que seguram o manto é superior à força dos que nele vivem. E a esperança de muitos é a realidade de alguns. E será sempre assim enquanto os ignorantes se contentarem apenas com a felicidade dada pela esperança.

A esperança é a ultima coisa a morrer, porque enquanto houver ignorância há esperança, e enquanto houver vida, há ignorância.

 

 

 


publicado por sl às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De aline a 14 de Agosto de 2011 às 17:25
esperança não é coisa de gente ignorante, ignorante é quem acha que a esperança é uma falsa realidade , pois ao contrario do que dizem é ela que nos faz acreditar que as coisas podem melhorar, é ela que nos motiva a mudarmos sempre para melhor, nos motiva também a correr atrás de nossos objetivos e é principalmente por causa dela que sabemos que existe um DEUS altíssimo e maravilhoso que nos ajuda e está conosco em todas as situações de nossas vidas . O bom é que eu tenho a ESPERANÇA de que esses ignorantes possam algum dia mudar de opinião
que DEUS abençoe a todos


De Renata a 4 de Setembro de 2011 às 11:47
A esperança produz em nós a paciencia, a perseverança e é a confiança de que as coisa vão melhorar... impo´ssivel ter como verdade que a esperança é coisa de ignorante.
Ela alimenta nossos sonhos e é real para quem realmente necessita, depende e espera o PODER DE DEUS. Deus nunca falha em seu planos imbatíveis e imutáveis, por isto precisamos CRER e crendo esperamos e se esperamos há em a verdade esperança aliada à FÉ, que é dom maravilhoso de DEUS.
Renata, BH - MG


De Ezequiel a 30 de Dezembro de 2011 às 21:44
A nossa esperança é a vinda de Cristo e isso não é coisa de gente iguinorante mais de salvo


De Jessé Cachequele a 28 de Agosto de 2012 às 13:31
Para pessoas que ñ cunhecem Deus, esta é a sua difinição. Mais os que acreditão em Deus a ESPERANÇA é ter serteza do futuro. Paro o autor desta difinição, procura cunheçer Deus ou ler a BIBLIA SAGRADA.


Comentar post

temas recentes

Novo Blog

Linguagem

Liberdade

Lei

Justiça

Inteligência

Instinto

Informação

Inconsciente

Imaginação

Ilusão

Igreja

Identidade

Ideia

Homem

História

Glória

Futuro

Filosofia

Felicidade

Fantasia

Família

Fama

Existência

Evolução

Eternidade

Espírito

Esperança

Espaço

Escrita

Equilíbrio

Energia

Emoções

Educação

Economia

Dor

Dinheiro

Deus

Destino

Desporto

Desejo

Cultura

Consciência

Conhecimento

Comunidade

Comunicação

Civilização

Ciência

Cérebro

arquivos

Setembro 2010

Março 2010

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

tags

todas as tags

pesquisar

 
Se gostava de obter todos os textos de A a Z, envie o seu pedido para viaverita@sapo.pt!
blogs SAPO

subscrever feeds