Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007

Espírito

 

 

 

ESPÍRITO

 

 

O espírito é uma das características humanas que mais acentua a diferença existente entre o ser humano e os outros seres vivos. O espírito humano identifica-se também como “alma” — sinónimo religioso — e como “psique” — sinónimo derivado do grego que acabou por ser adoptado no mundo científico, pelas palavras “psíquico” e “psicológico”. O espírito é algo que se traduz pela alma da religião e pelo psíquico da ciência. A religião chama “alma” ao espírito e tem uma explicação consistente para essa concepção, da mesma forma que a ciência tem uma explicação para lhe chamar “entidade psicológica”.

O espírito é algo que existe no homem e apenas neste, e é nesse espírito que se encontra a grande superioridade humana. Mas não é ainda possível clarificar consensualmente o que é o espírito, pois a sua essência justifica esta impossibilidade, apesar de, no entanto, lhe serem atribuídas muitas caracterizações e definições.

O espírito é uma entidade abstracta incognoscível, excepto pelas suas manifestações e principalmente pelas teorizações dessas manifestações. Não há um acesso directo ao espírito, mas um acesso às suas manifestações. Não sendo uma entidade concreta, o espírito não se pode localizar espacialmente, mas por aproximação e idealização, imagina-se que o espírito possa estar “localizado” no cérebro humano sob uma forma imaterial.

As células cerebrais recebem permanentemente enormes quantidades de informação através dos sentidos e do interior do próprio corpo. Esta informação é registada na memória. A memória é composta por, calcula-se, cinco por cento de consciente e noventa e cinco por cento de inconsciente. No nosso quotidiano racional humano apenas funcionamos com o consciente, pois somos seres racionais. Mas se nós quisermos deixar de ser racionais e conscientes — embriagando-nos, tomando alucinogénios, medicamentos não receitados ou produtos tóxicos, trabalhando ou praticando exercício físico excessivamente, abstendo-nos de alimentos ou de dormir, etc; etc. — ou se por acidente ou doença, deixarmos de ser racionais e conscientes involuntariamente, ou por outras palavras, se o nosso corpo for privado das suas necessidades vitais, ou se receber ou expelir qualquer coisa em excesso ou em defeito, em relação àquilo para que está naturalmente preparado, entra em desequilíbrio, e o cérebro, como órgão corporal físico que também é, entra também em desequilíbrio. Este desequilíbrio no cérebro baralha a memória e transforma o ser humano racional e consciente em irracional e inconsciente. A perda parcial ou total de consciência deixa livre o caminho para o inconsciente que é inconfundivelmente maior e quase todo desconhecido. É quase todo desconhecido porque a maior parte das coisas que o nosso cérebro regista na memória não chega a passar pela consciência. Por exemplo, conscientemente este texto está a ser lido, mas inconscientemente o cérebro está a registar o que o leitor sente sobre ele, se concorda ou não, se provoca prazer ou repugnância, as vezes que o leitor se enganou, que recuou ou repetiu, a cor do papel, a forma da letra, a luz que nele incide, todos os sons, movimentos e odores que os sentidos conseguem alcançar, as dores musculares, os movimentos oculares — uma lista interminável de coisas que ficam no cérebro inconscientemente. Então, quando o caminho está livre, nós podemos ter acesso a coisas ou manifestar coisas vindas do nosso cérebro, que nunca nos passariam pela cabeça conscientemente. São tudo coisas vindas do nosso inconsciente inconscientemente, pois só inconscientes temos acesso ao nosso inconsciente da mesma forma que só conscientes conseguimos raciocinar.

O espírito é tudo o que o cérebro contém consciente e inconscientemente. A ciência define o espírito a partir do consciente atribuindo-lhe todas as faculdades psicológicas e espirituais, como o racionalismo, a identidade, a personalidade, a mentalidade, os sonhos, os desejos, os medos, etc. A religião define o espírito a partir do inconsciente, considerando todas as manifestações do inconsciente como sendo das almas, dos mortos, dos anjos, do sobrenatural, do outro mundo, de Deus e da eternidade.

O espírito é tudo isto. Se enquanto dorme, o homem sonha eroticamente com a mulher, a ciência pela psicologia afirma que é o “id” a satisfazer um desejo que o “ego” não satisfaz porque o “superego” não permite. A religião, pelas suas doutrinas, afirma que é a tentação da carne, que simboliza o mal.

O espírito continua a ser um grande enigma para o homem, porque conscientemente apenas é o que a psicologia consegue teorizar. E inconscientemente apenas se manifesta em estados de consciência alterada, e sempre involuntária e imprevisivelmente, não se podendo estudar científica e racionalmente.

O espírito está no cérebro. O cérebro emite ondas eléctricas. As ondas cerebrais variam conforme o estado de espírito e conforme a actividade cerebral. Se o cérebro se alterar, a energia que dele pode ser libertada pode criar os mais imprevisíveis fenómenos.

Visões e fantasmas; movimentos, sons, odores e manifestações corporais absurdas; sonhos premonitórios; pesadelos; e etc; são manifestações do espírito vindas do inconsciente.

Inteligência, consciência, justiça, paz, ternura, respeito, amizade, civismo, liberdade, igualdade, fraternidade e etc; são manifestações do espírito vindas do consciente.

O nosso espírito crítico, aliado ao nosso espírito humano, saberão escolher qual a espiritualidade que mais nos convém e por ela guiarmos a nossa vida.

 

 




publicado por sl às 19:30
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 12 de Maio de 2007

Casamento

CASAMENTO

 

 

A nossa natureza animal impregnou-nos de uma necessidade biológica e orgânica, semelhante a todos os outros animais, cuja satisfação nos dá o maior prazer, e da forma mais normal e natural, visa a transmissão da vida e a sobrevivência da espécie.

O acto sexual, só normal e natural quando praticado entre um macho e uma fêmea, tendo em conta que o papel principal dos órgãos sexuais é a reprodução, e esta só é possível naturalmente entre um macho e uma fêmea, é o principal objectivo na vida de qualquer ser vivo, sendo ultrapassado apenas pelas necessidades vitais. É tão indispensável a copulação para a vida da espécie como a alimentação para a vida individual.

O ser humano, devido à sua superioridade, compreende uma sexualidade mais vasta, por não possuir ciclos sexuais estabelecidos naturalmente tão restritos como os outros animais, e por devido à sua capacidade mental conseguir condicionar essa sexualidade.

E assim criou regras para os comportamentos sexuais. Definiu como, quando, onde, com quem, porquê e com que frequência se deve copular. Cada sociedade, civilização, ou cultura, definiu as suas regras sexuais conforme os ideais, tradições, interesses, crenças, objectivos e conhecimentos próprios. Por exemplo, na civilização ocidental, de tradições judaico-cristãs, a copulação só devia existir entre um homem e uma mulher, casados para toda a vida, com o objectivo de terem filhos.

O casamento é então a palavra-chave que regula toda a actividade sexual de uma sociedade. Qualquer acto sexual está explícita ou implicitamente relacionado com o casamento, podendo ser aconselhável ou permitido e condenável ou proibido.

O vínculo do estabelecimento do casamento na sociedade foi de tal força — todos queriam casar porque todos queriam parceiros sexuais, porque só entre casados era permitido o acto sexual — que o próprio casamento acabou por ser a base de toda a organização social, nomeadamente para a criação de leis económicas, fiscais e criminais.

O casamento como regulador da actividade sexual só funciona em sociedades de repressão, pois limita o ser humano naquilo que ele tem de mais expansivo a nível comportamental. E assim, apesar do casamento, a actividade sexual sempre existiu fora dele, como prostituição, adultério, incesto, pedofilia, etc. Toda a história está documentada com casamentos incestuosos, filhos bastardos, mulheres adúlteras, sem esquecer, a conhecida, mais velha profissão do mundo.

O casamento apenas legaliza a sexualidade, e dependendo do regime social em que existe, pode permitir desde a poligamia até à homossexualidade.

A versão religiosa do casamento apenas existe porque todo o poder civil partiu do poder religioso e de todos os antigos regimes teocráticos nasceram os actuais regimes liberais e democráticos, como do antigo casamento religioso nasceu o actual casamento civil.

O casamento é um contrato mútuo em que os esposos se comprometem, voluntária ou involuntariamente, a cumprir várias cláusulas oficialmente legalizadas, prévia e socialmente estabelecidas, tais como perfilhação, distribuição de bens e heranças, coabitação, respeito, companhia e fidelidade. Os valores materiais são objectivos e facilmente se repõem na normalidade em casos de ilegalidade ou litígio, mas os valores morais e sentimentais são muito subjectivos e motivo de muito conflito, principalmente quanto à actividade sexual, porque, se o ser humano casa porque deseja sexo, continua a desejar sexo apesar de casado, porque já o desejava antes de casar, isto para além das diferenças individuais e de género.

No casamento apenas está em jogo o desejo sexual e a sua contenção ou satisfação, que depende da mentalidade de cada um, que por sua vez depende da realidade social. O restante — filhos, habitação, família — são consequências.

E muito mais importante que o amor, é o respeito e a compreensão.

 

 


publicado por sl às 19:20
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 10 de Março de 2007

Alma

ALMA

A alma é o que a religião chama à entidade espiritual que envolve cada pessoa e que a ciência estuda pela psicologia.

Cada igreja, religião, seita ou culto caracteriza a alma conforme as suas tradições culturais, costumes e interesses próprios. Desta forma não há uma generalização da alma, sendo antes entendida por cada um conforme a influência que recebe da cultura religiosa em que nasce ou vive.

Por ser sempre considerada um meio caminho entre o homem e Deus, a alma só existe para os crentes. Para uns, quando o corpo morrer, a alma que nasceu com ele, segue para o além, para uma vida eterna. Para outros, a alma vive eternamente e só recebe um corpo durante a vida terrena. Para outros ainda, a alma vai-se aperfeiçoando em diversas vidas por que passa na terra. Ainda para outros, a alma, logo que o corpo morre, é transferida para outro corpo. E ainda há os que acreditam que Deus tem um número limitado de almas que distribui só por quem merece, e os que acreditam que até os animais e as rochas têm alma...

Todas estas descrições da alma, e mais que existirem, são puras crenças. Na verdade, a alma não existe. O que existe é uma entidade espiritual, completamente abstracta e da qual ninguém tem um conhecimento aprofundado, devido à sua natureza. Essa entidade é apenas energia. Energia que existe no corpo humano, nomeadamente no seu cérebro. Essa energia pode ser registada em aparelhos electrónicos sofisticados, porque o corpo humano pode emitir radioactividade e ondas electromagnéticas, o cérebro humano funciona através de estímulos eléctricos entre as suas células. Conforme seja a actividade cerebral, o cérebro emite ondas cerebrais de maior ou menor intensidade.

A ciência actual está ainda a dar os primeiros passos no estudo destas realidades. Áreas científicas recentes como a neurobiologia e a psicofisiologia, apoiadas por cada vez melhor tecnologia, brevemente nos explicarão como funciona o nosso corpo e principalmente o nosso cérebro em termos energéticos. Ainda que não se consigam localizar as áreas físicas concretas no cérebro, brevemente saberemos estruturar o funcionamento concreto da nossa memória, da nossa inteligência, da nossa consciência, numa palavra, do nosso cérebro e de todas as suas extraordinárias funções.

Pois o nosso cérebro é o responsável por todos os atributos da alma. Por um lado, é dele que partem todas as manifestações e criações do nosso inconsciente, em energias perceptíveis e em alucinações ou imaginações. Por outro lado, é nele que está também toda a nossa consciência. E esta é a criadora de todas as ilusões, das lógicas falsas para a vida, dos outros mundos, e de toda uma série de mentiras que de tão enraizadas acabam por significar mais do que a própria verdade. E tudo isto acontece devido à ignorância natural do homem.

O psíquico, o espírito, ou a alma, são uma concretização em forma de energia que se vai criando no cérebro à medida que este se vai desenvolvendo. O cérebro é, de tudo o que existe na natureza conhecida, o pedaço de matéria mais pequeno e com maior complexidade de interconexões. Alguns investigadores dizem mesmo ser mais complexo o cérebro humano que todo o universo.

Mas o cérebro só existe como dependente de um corpo. Sem um corpo para o alimentar, o cérebro morre. E quando o corpo morre, também o cérebro morre. As células de que ele é composto morrem. E quando elas morrem, toda a energia que estava nelas deixa de existir, ou toda a energia que produziam deixa de ser produzida. O psíquico, o espírito ou a alma, deixa de existir, pois morre à medida que vão morrendo as células do cérebro.

Se nós acendermos uma fogueira num local escuro, lentamente ela vai começando a emitir luz – como o cérebro vai criando um espírito –, enquanto a fogueira estiver acesa, a luz alumia – como o cérebro mantém o espírito –, mas se apagarmos completamente a fogueira, a luz que nos alumiava desaparece... E não vai alumiar para outro local.

 

 


publicado por sl às 01:37
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

temas recentes

Espírito

Casamento

Alma

arquivos

Setembro 2010

Março 2010

Novembro 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

tags

todas as tags

pesquisar

 
Se gostava de obter todos os textos de A a Z, envie o seu pedido para viaverita@sapo.pt!
blogs SAPO

subscrever feeds